Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on print
Imprimir

A APPACDM de Setúbal responde a crianças e jovens, com deficiência mental, de todas as idades. A deficiência mental que os utentes apresentam está associada a diferentes causas, sendo as mais comuns alterações cromossómicas, malformações cerebrais, síndromes por deficiência metabólica, perturbações do espectro de autismo, paralisia cerebral, epilepsia e doenças neurológicas degenerativas. Também existem psicopatologias e perturbações na área da saúde mental associadas. Os alunos que integram o Projeto Marchas Populares revelam um funcionamento intelectual significativamente abaixo da média, esperada para a idade com limitações em duas ou mais das seguintes áreas: comunicação, autonomia, competências sociais, funcionamento académico, competências adaptativas que permitam manter a segurança, desenvolver atividades de lazer e profissionais.
Estes alunos, com deficiência mental, evidenciam, muitas vezes, problemáticas inerentes às suas limitações e dificuldades. A sua maturação psicologia, afetiva e social é diferente.

O facto de serem pessoas com deficiência intelectual e motora, não as impede de gostarem ou não de si próprias nos seus vários aspetos: imagem corporal, desempenho escolar, relacionamento familiar e interações sociais. Têm capacidade de se avaliarem a si e aos outros, bem como de estabelecerem comparações. O modo como se apercebem a si mesmos e o modo como vivem e sentem as questões de igualdade e diferença está intimamente relacionado com a sua instabilidade emocional, que se traduzem em sentimentos negativos de insegurança, baixa-autoconfiança e desvalorização pessoal.

As Marchas Populares têm um carácter dinâmico, psicológico e social. Por sua vez, ao nível da sociologia, é estritamente social, pois está definido como maneira de pensar, sentir, agir e reagir de um povo. O Projeto Marchas Populares surge, então, como perspetiva educativa, apresenta desafios e possibilidades, tanto para a cidadania, como para a inclusão, que é conseguida ao mais alto nível, através de três domínios orientadores: o psicomotor, o social e o cognitivo. Incluir pessoas com deficiências nas Marchas Populares da cidade de Setúbal contribui amplamente para o desenvolvimento biopsicossocial do praticante. As marchas para pessoas com deficiência, vem ampliar o quadro de possibilidades de acesso à arte e a construção de cidadania dos alunos, através da flexibilidade e adaptabilidade das atividades. Algumas questões são importantes para a realização desse trabalho, mas ainda maiores são as conquistas para as pessoas envolvidas neste projeto. Por conseguinte, ao longo dos anos temos tido comprometimento crescente com abordagens mais técnicas das marchas populares, bem como tem sido criada uma “cultura das marchas”, na nossa escola.

Tendo como objetivo máximo a inclusão dos alunos, num dos maiores eventos da cidade de Setúbal, este projeto tem dado a conhecer à comunidade o empenho e capacidade dos alunos e as suas capacidades expressivas, assim como um pouco da cultura/tradição da região onde a Instituição está situada, através da interpretação de coreografias populares portuguesas, incentivando o gosto pela preservação da nossa cultura histórica, tradicional, popular e regional, promovendo a autonomia, a criatividade e a responsabilidade; fomentando a partilha e a cooperação entre grupos, a pares e adultos e contribuindo para uma relação mais próxima entre a comunidade e a escola.